sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Operador! Me dê o número do 911!

Quando minha filha completou sete anos, nossa família não viveu apenas esta mudança!

Mudei de casa, de emprego...

No início tudo era muito diferente do meu habitual...

Na hora sagrada da minha novela era um calor insuportável, não passava um rastro de vento, perto do meu sofá.

Na mesa da sala o sol castigava o meu café da manhã, pensei em comprar cortinas assim que desse tempo, demorei cinco meses para enfim arcar com as dividas da mudança e comprar, não resolveu o problema, pois com as cortinas fechadas mais calor eu sentia, mas me acostumei rapidinho...

Fora esses dois empecilhos na minha sala que me tiravam o prazer de assistir TV e fazer refeições, a casa era perfeita!

Passando dois anos, entre fevereiro e março deu um temporal em minha cidade, minha casa ficou com goteiras. Na minha saída para ir ao trabalho percebi que estava alagando o meu sofá e pedi a minha filha para que colocasse o sofá no lugar da mesa e vice e versa, feito isso botasse um balde em cima da mesa para conter os pingos. Enquanto fazia meu caminho até o trabalho dei telefonemas para providenciar o concerto da goteira.

Na volta do trabalho, faço a minha rotina fielmente, sento-me no sofá e realizo a segunda etapa do processo sagrado (assisto novela), logo noto uma leve brisa vinda do corredor passando pelo sofá, quando abro a porta, percebo que a leve brisa tinha se transformado em um vento forte, tornando o ambiente bem mais agradável.
Logo pela manhã, minha filha fez uma importante observação, já não havia sol sobre a mesa, e apreciamos o café da manhã com muito mais prazer.

Ao caminho do trabalho fiz uma grande avaliação da minha lição do dia, eu passei dois anos passando por momentos desconfortantes dentro de casa porque não pensei na segunda opção... Confiei na minha primeira idéia de apenas comprar cortinas e não pensei em mudar os móveis do lugar!

“Moral da história. Não confie na sua primeira opção, na sua primeira resposta certa. A terceira, a quarta, a quinta, a sexta resposta certa, tem maior probabilidade de solução perfeita do problema”.

História compartilhada na aula de produção gráfica!

LEIAM: Um “TOC” na cuca.

2 comentários:

Babih Xavier disse...

É... as escolhas que fazemos podem mudar! Não precisamos nos prender aos primeiros passos e as primeiras respostas.

Dama de Cinzas disse...

Gostei do seu blog! Mas odeio calor... eheheh... Nossa to adorando a chuva que tá caindo aqui hoje!

Obrigada pela visita!

Beijocas