segunda-feira, 22 de março de 2010

“Se está atravessando o inferno… continue…”


Uma voz me disse, vá! Mas pra onde?
Sempre há tantos caminhos em nossa frente, eu quero saber, se vou por ali ou por cá mesmo, se tento a quarta saída, ou se saiu na quinta na sexta no sábado e no domingo?!
Eu quero tanto minha reservada primeira opção, que eu dispenso a segunda, a terceira, e até misturo as outras colocações.
Já penso tanto nisso que estou completamente ligada a toda fala que deriva do seu nome.
Estou tão conectada com sua realidade e modo de vida, que tudo me leva de volta a você.
Pena é não te encontrar em outro lugar, sem aquele seu amigo que gosta de mim, sem aqueles nossos amigos! Pena não te encontrar nunca, assim, a sós.
Eu tenho a sensação que se um dia não houver distância alguma entre nossos corpos, não existirá céu nem terra, nada abaixo, nada a cima de nós. Só existiram duas bocas com sede do mesmo desejo, dois sexos afoitos pelo mesmo motivo, dois corações por uma mesma razão, e eu já não posso descrever essa ficção, ou melhor, fixação!
Eu ficaria horas escrevendo sobre você e eu, sobre o que nunca aconteceu, isso me dá tanta inspiração, eu escreveria um livro! Eu leria todos os dias, até enjoar de lembrar de você, e mesmo assim continuaria lendo, e com o passar do tempo, mesmo lento, eu leria, com menos freqüência mas sentiria uma pontadinha de saudade, de vontade, de saber o que realmente eu perdi, ou se não perdi!
Pena que na vida não é só pressionar qualquer tecla para continuar, ou qualquer tecla para sair.

12 comentários:

sarah disse...

A verdade é que na vida tudo se discute, mas nos sentimos tolos quando a discutimos.

só devemos saber lidar e acima de tudo sempre escrever sobre ela!

adorei seu texto, parabéns.

Atreyu disse...

Texto incrível! Colei nele desde o título! =*

Stella disse...

Achei tão bonito. :)
Mas é mesmo. Na vida temos que fazer escolhas e quase nunca podemos voltar atrás. E mesmo quando conseguimos voltar atrás, já não é atrás, aquela outra escolha já foi feita e mudou tudo que não foi como talvez tivesse sido.

Gostei do escrever um livro que leria sempre, mesmo depois de enjoar, só pra sentir saudade, pra lembrar do que pode não ter prestado atenção. Seria bom se todo mundo tivesse um filme da própria vida pra saber como é que é... :P

Beijos!

Priscila Mondschein disse...

Eu também queria que tudo fosse simples como apertar uma tecla, e ficar na ilusão do que poderia ter sido e não foi é triste, mas rende lindos textos! :)
Beijos!

Deni Maciel disse...

ai a vida seria um video game =/

ótimo texto
[pra variar né ] ?

alias..
o q é um peido pra quem tá cagado ou tá no inferno
abraça o capeta
kkkkk

é isso.
abraço
boa terça
e Feliz dia do bumbum de fruta.
sim....
é de um gay q eu estou falando..
kkkkkkk

droga*essa foi horrível*

Ale Sbano disse...

Ruim pensar no que teria sido,mas eu não consigo evitar..
Tenho a impressão de ler coisas q acontecem comigo nos blogs de várias garotas,o que prova que a história se repete com todas nós,até acertarmos...

Moni disse...

Ola adorei sua visitinha por isso vim aqui dar uma espiadinha e adorei rsrrsrsr.

È facil falar e escrever do que se gosta.

bjos adorei o post

Valéria disse...

Simetricamente humano e suave. Gostei!

BeijooO'

Ju Fuzetto disse...

Quando os caminhos são trilhados com o coração, não há nada que possa dar errado. Somente a razão poderá acusá-la...

Seria simples se apertassemos o play e a música principal começasse a tocar...

Um beijo

Déia disse...

Seria bom se tivessemos algumas teclas ESC para apertar de vez em quando... rs

bj

Pérola disse...

Obrigado pela visita minha linda.
Bela postagem.
beijokas.

Michele disse...

Verdade que a vida não se resolve num simples pressionar de um ESC, Ju! Mas talvez aí esteja a graça: sempre temos que encontrar a melhor saída.

E nos descobrimos.

Um beijo!