domingo, 6 de março de 2011

Como se esperava.

até que eu percebi que enquanto eu mandava músicas pensando nele.
Ele mandava músicas pra ela. Como naquela velha estória.
Maria gosta de João que gosta de Marcela que gosta de Pedro.
O fato é que a estória não tem fim.
E ele tinha realmente razão, como dizia  aquela música.
Só que eu não vou voltar quando ele quiser. Errol, não.
E o que é mais engraçado é a reação do próprio ao notar isso.
Claro, o que pra ele era descaso virou preocupação.
E o que pra mim era preocupação virou descaso.
É só mais uma estatistica, a música mudou, porém, eu dentro disso tudo
Lamento, não pouco, mas muito, quem havia de esperar algo, não se contenta com nada.
Outra estatística, mulheres encaram rejeição como 'questão de honra' e é isso que FODE com tudo.

11 comentários:

Cadinho RoCo disse...

Quando o amor desaparece, fica tudo meio que perdido no espaço percorrido por nosso afeto, pelo nosso sentir.
Cadinho RoCo

Thiago Pacheco disse...

realmente, pelo post parece que suas relações estão um pouco complicadas. se eu tiver como ajudar, você sabe que pode contar comigo.

falando de mim: (?) estou bem. trabalhando, estudando e namorando, tudo isso acaba tomando um tempo maior do que a gente imagina, mas eu tento manter os contatos com as pessoas realmente importantes.


descobri que não tenho mesmo nenhum jeito com essas redes sociais e que prefiro ouvir a voz das pessoas do que ver as fotos das férias delas. e como ainda gosto do msn, o mantenho. exclui orkut, facebook, twitter e myspace. espero que ainda tenha meu telefone.

ah... esqueci de dizer que hoje estou excluindo o blog. tô salvando os textos no pc e vou excluir de vez. criei ciume com as besteiras que escrevi e que escrevo.

beijo! sinto saudades, mas a gente parece se virar bem com esses sentimentos né? pelo menos fingimos bem! até qualquer momento. :)

Amapola disse...

Boa tarde, querida amiga Jhuliana.

Você tem razão. Amar quem ama outra, ninguém merece. O amor próprio ferido, dói tanto... Que até confunde os nossos sentimentos.

(Muito obrigada pela honra da sua visita) Não pense naquelas tristezas. Minha mãe tinha quase 93 anos.

Um grande abraço. Tudo de bom para você e toda a sua família.

Lulu on the Sky® disse...

Oi Jhu, olha vc pode me mandar email, o endereço está no campo do comentário no meu blog.
Big beijos

Monique Premazzi disse...

Eu já passei muito tempo gostando de pessoas que sempre gostavam de outras pessoas. Isso é uma MERDA! Dói demais gostar de alguém que não está nem ai pra você, é revoltante.
Tudo bem, nos conseguimos conviver com isso e um dia a história muda e você para de se importar tanto com essas pessoas.
Adorei o blog. Obrigada pela visita, ok? Volte sempre <3

Kêdy disse...

Casos dos casos que sempre há por aí!

Abafa e Se Joga. disse...

Não sei por que razão, e até sei, gosto quando a situação se inverte...

Beijos

ticoético disse...

Hahaha,o que dizer hein?
O importante é que há sempre música no meio,hehehe,fins são tristes e finais engraçados,enfim,bela.
abraço !

Suzi Lima disse...

Pior que é verdade...a tal da honra...

Daniela Filipini disse...

É triste quando um sentimento acaba, seja ele qual for.

Anna Carolina Vale . disse...

Honra feminina. Mais complicado que isso, só o ego masculino. E é só quando o ferimos que eles se tocam da realidade.

beijos :**